quinta-feira, setembro 11

Estupidez

Desde que, distraído pelo estrondo do Big Bang,  deixou escapar da sertã a almôndega a que chamou Terra, e pôs nela a espécie que sabemos, o Todo-Poderoso continua a lutar em vão contra a estupidez.
Estúpidos há-os grandes e pequenos, cómicos, perigosos, ineficientes, alguns são-no por maldade, outros porque assim nasceram. A maioria anda à solta, outros, como os que querem "reformar" a língua portuguesa, deviam ser isolados no Rilhafolhes e mantidos lá por tempo indefinido.
A língua não é dos gramáticos nem dos políticos, a língua é do povo, nós todos, e também nela é o povo quem mais ordena.
Para que se saiba quanto me é querida, repito este texto de 16.06.2013.

A nossa língua

 É mais que gosto ou apreço, é amor de verdade e misterioso sentimento, o que me dá a nossa língua. Demoro em certas palavras a saboreá-las, encanta-me a melodia, o significado, pergunto-me que feitiço se esconde nelas, capazes como são de tanto exprimir, outras vezes negando o entendimento ou, travessas como crianças, fugindo quando as chamo, aparecendo no lugar errado.
E que grande tesouro é! Quantas maravilhas esconde! Que pena dá que dela saibamos tão pouco, mais pena ainda de ver como alguns a desleixam e desprezam, achando fino deitar mão a estrangeirismos, inventando modismos que são outros tantos sinais de debilidade mental.
Porque a alguns falta o ritmo, a outros o ouvido, mostram por vezes os literatos alguma falta de jeito na dança com as palavras. E enriquecer-lhes o significado é dado a poucos. Nesse particular surpreende como são por vezes os simples mais capazes de seguir o filão e encontrar nele o diamante.
Contava-me um médico que, muitos anos atrás, tendo começado a trabalhar para as bandas de Monção, lhe aparecera um dia um paciente que, a modos de queixa, disse:
- Vou pró campo e é só vento!
Depois de alguma conversa descobriu o jovem clínico que o lavrador, para quem a leira era a única retrete, ao querer aliviar as entranhas só lhe saíam peidos.
O meu exemplo é de anteontem. Adoeceu o vizinho, mas o bichanar das mulheres não adianta para saber se é grave e necessária a ajuda. À volta doutros afazeres descubro que aquele que o levou à urgência não diz mais que "Ficou lá. Puseram-no a soro".
Retorno às mulheres. Pergunto, mas de nada adianta, com ar de inquisidor agarro pelo braço a que me parece mais assustada, ela cede:
- Há três dias que não fecha!
- Não fecha?
- Há três dias que não fecha!
Demorou, mas à força de circunlóquios e apontando vagamente lugares da anatomia, lá conseguiu explicar que o vizinho há três dias andava com tal soltura que não saía da retrete.
Maravilhoso intsrumento,a língua portuguesa.