quinta-feira, abril 30

A gaja dos orgasmos

São memórias que ficam. Gargalhavam, a sufocar do riso. Então um levava a mão à braguilha, fazia o gesto de sacudir o que devia ter parecenças com tromba de elefante, e dizia à roda:
- Disto é que ela quer!
Adolescente romântico e testemunha involuntária, perturbava-me tanto a grosseria como a demonstração tola do desejo impotente.
Outra memória. Edith Piaff. Metro e meio de gente, umas poucas arrobas de pele e osso, grande voz. Ouvi-a cantar, na antiguidade em que Charles Aznavour era o seu pianista. Cama para aqui, légionnaire para ali, mon homme assim e mon homme assado, chansons de fodas de dois dias e três noites. Passada a novidade aquilo tornava-se cansativo, e a voz não bastava para fazer esquecer a discrepância entre a aparência frêle e os urros da luxúria.
Agora é ele que telefona, excitado, a perguntar se já li “a gaja dos orgasmos”. Uma que toda a gente conhece. Quase grita a contar que ela diz que ao ler certos livros tem orgasmos secretos, proibidos!....

Oiço e calo. De facto é isso: nem casto, nem virtuoso, e todavia continua a tomar-me um certo acanhamento perante a imposição do erotismo alheio.

segunda-feira, abril 27

Facebook

O Facebook veio perturbar o meu descanso. Primeiro foi um amigo de longa data a fazer a ligação. A seguir veio outro. Aceitava? Pois claro. De súbito aparece uma desconhecida. E outra. E mais outra... Uma a escrever isto: “Ahahah! Olhe, foi-me recomendado não sei por quem... Para além disso, já partilhámos um óptimo arroz de parto. Foi há uma eternidade (2001), mas estava excelente. E nunca mais conseguimos repetir a proeza. Havemos de lá voltar...”

Arroz de parto? Tinha sido de pato. Tinha de ser lapso, e logo adivinhei: é a mãe da Inês.

Mexi nos botões do Facebook, mas a técnica e as possibilidades da coisa são complicadas em demasia para a antiguidade da minha cabeça. Daí que num repente as três centenas e pico de endereços de e-mail que tenho no computador estavam a mandar pedidos de amizade para os quatro cantos.

Não sei se travei. Estou travado. Lapso! Estou tramado.

domingo, abril 26

Domingo, 26.04.09

(Clique para aumentar)

The Fame Formula

(Clique para aumentar)

Há livros interessantes que era melhor não ter lido.The Fame Formula é desses.

Há muito sabemos como se fabricam estrelas, famas e escândalos que dão dinheiro, tanto dinheiro que em torno deles se criam comércios e indústrias. Lemos ou ouvimos falar de como, a troco de pagamento, raparigas desmaiavam em público ao ouvir a voz de Frank Sinatra. De como outras, pagas também, e de modo a que os jornalistas “testemunhem” o que sabem que vai acontecer( ó mundo sem vergonha!), atiram a este e àquele cantor as chaves dos seus quartos de hotel. De como se manufacturam namoros, casamentos, ligações e escândalos, para que os tolos paguem e as indústrias da ignorância continuem prósperas

Valentino, Clark Gable, Joan Crawford, Marilyn Monroe, Andy Warhol, os Beatles, Michael Jackson, Tom Cruise, Amy Winehouse... para só citar estes entre centenas, você dormirá melhor e viverá mais alegre se ignorar o muito de repelente que em geral está por detrás da celebridade.

Divirta-se e entusiasme-se no cinema, nos concertos de rock, mantenha a sua admiração por aquele Bonno Salvador do Mundo e Santa Angelina Jolie, padroeira dos pretinhos, o profeta Al Gore e as mais Madonnas. Não leia o estupor do livro.

Eu próprio dispensava o que nele aprendi, mas já minha mãe o disse no dia em que, puto de quatro anos, me pus a ver o sol através duma lente e queimei a pálpebra: “A curiosidade ainda te há-de matar!”

sábado, abril 25

Surpresa

Alegre surpresa num sábado de chuva, frio e melancolia. A escrita por vezes tem disto

25 de Abril

Trigésimoquinto aniversário do dia das ilusões.
Festa?
Que festa?
Onde?
Para quem?

sexta-feira, abril 24

Defuntos e vivos

Em Amsterdam não tenho defuntos, mas aqui na aldeia, há ocasiões em que um impulso me leva ao cemitério. Finjo que entro ali com um propósito, quando na verdade não sei o que me chama, nem sou dado a expressões públicas de pesar.

Paro nas campas dos meus, na dum ou doutro parente ou amigo, passo com respeito pelas viúvas que carpem dores sinceras e fingidas, toco o ombro do Ti Alberto que, contrito e em lágrimas, todos os dias reza junto da campa da mulher a quem fez a vida negra.

Na minha imaginação vejo rostos, vem-me a memória de cenas, de momentos, retalhos de frases, surpreendo-me a tomar parte em conversas com os que desapareceram, a perguntar-lhes se recordam isto, se ainda sabem aquilo...

Não guardo noção de quando de lá saio e demora a que as pessoas que encontro me pareçam reais. Isso que faz que, com algum desassossego, me pergunte depois quem são os mortos e se os vivos estão vivos.

quinta-feira, abril 23

Caixa de velocidades

Facilitaria a vida, e de certeza tornaria as relações mais agradáveis, se nas simpatias e amizades se pudesse instalar uma caixa de velocidades.
Engatava-se-lhe a primeira e continuava-se até ao que parecesse marcha conveniente. Mostrava-se agradável? Metia-se-lhe a quinta. Aborrecia? Punha-se no ponto morto.
Infelizmente, os sentimentos não possuem a rigidez da mecânica. Assim sendo, sinto certo transtorno ao dar-me conta que a oferta do dedo pode implicar o risco de me ver sem braço; desnorteia-me que da mostra de simples simpatia resulte um perigo de anexação sentimental; entro em pânico quando, todo sorrisos, amigo velho ou conhecido de fresca data me vem com conselhos e sugestões. Sobre a escrita, ainda por cima.
Caixa de velocidades com um amplo ponto morto! Soubesse eu onde encontrar uma!

quarta-feira, abril 22

Invenções

Todo o cuidado é pouco, tudo mudou. Fantasia-se uma história num momento de irritação, descarrega-se o excesso de bílis inventando um personagem, e já não é no jornal de amanhã que se tornará pública, mas de imediato num blogue, pronto tremelicam os telemóveis.

- É fulano! Chapadinho!

- Olha que não. Deve ser aquele gajo que assobia muito bem.

- Ou o outro, o cornudo.

- Esse não tem bigode. Cá na minha é o cunhado.

- Se fosse o cunhado... Ouve lá, vais ao café?

No café já se sabe e discorda-se.

- Cornudo coisa nenhuma, e o cunhado também não. Na minha ideia é o vizinho dele, o do terceiro andar, o que tem gaiolas na varanda.

- O dos periquitos?

- O outro, o dos papagaios.

- Vocês não estão a ver! Ele escreve aquilo para gozar! Inventa!

- Ai é? Então porque é que diz que o sujeito gosta muito de cerveja e que lhe fica a espuma no bigode?

- Com certeza li à pressa. Não vi. Fala de bigode?

- Sim senhor. Por isso é que não pode ser o cornudo. Tem de ser outro.

A história inventada vai crescendo, ganha cenas novas, torna-se real.

- Sabes que o Azevedo escreveu uma coisa no blogue dele e que o vizinho....

- O dos papagaios? Disseram-me que era o cunhado, o bigodes da farmácia.

- Há quem ache que é o tio. Ou o cornudo.

- O que se veste de mulher?

- Não. Aquele gajo das pulseiras, o do Passat azul.