domingo, Dezembro 21

Pátrias


Faixas no céu da manhã, mais do que de costume, levam-me a pensar nos que de longe vêm passar o Natal.

Uns trazidos pela tradição que mantêm, outros obrigados pelas aparências que têm de manter, alguns com a dor na alma e o sorriso nos lábios.

Natal ou não, para todos esses será de algum conforto a frase de Alfred Polgar (1873-1975): “O destino do emigrante é que o país estrangeiro não se torna a sua pátria: a sua pátria é que se lhe torna estrangeira.”