segunda-feira, abril 24

Medrosos e deploráveis

(Clique)


É lugar-comum, por vezes uma brincadeira, mas em certas ocasiões quase se toma a sério e não resiste a gente a dizer que, de uma maneira ou doutra,  “isto anda tudo ligado”. Acontece assim que ouvi pela primeira vez falar do nome Bertelsmann, quando em 2009 a Quetzal editou o meu ‘Com os Holandeses’, mal fazendo ideia de que a empresa, então proprietária da Bertrand e que pouco depois a venderia à Porto Editora, não era, como eu supunha, uma qualquer editora alemã, mas um conglomerado de emissoras de televisão e um dos gigantes multimédia a nível mundial.
Quis recentemente o acaso que a leitura de uma crónica no semanário holandês ‘Elsevier’ viesse despertar a minha curiosidade, aprendendo aí a existência de uma Fundação Bertelsmann (‘Bertelsmann Stiftung’), não só casa-mãe da empresa, mas com importantes  actividades de lobby junto dos organismos da União Europeia, nas quais despende anualmente para cima de 4 milhões de euros, ‘dando a impressão de nesses organismos viver de portas adentro’.
Poderosa como é, a Fundação Bertelsmann tem uma inegável influência na vida política alemã e na orientação das elites, a ponto que, segundo o cronista, ‘a quem quiser estar ao corrente das tendências da sociedade e da economia alemã basta a consulta dos relatórios da fundação’.
Num desses relatórios, em Novembro passado, era questão de analisar a atitude dos cidadãos relativamente aos problemas da mundialização, inquirindo-se dos interrogados se a consideravam uma ameaça ou uma oportunidade. Uma pequena maioria, 55 porcento, respondeu que será uma oportunidade, enquanto que 45 porcento vê na mundialização uma ameaça. Porém, conclui o relatório, estes últimos são sobretudo os que, dispondo de baixos rendimentos, com um nível de educação inferior e já idosos, tendem a simpatizar com os partidos populistas da direita.
Foi ao ler isso  que recordei as afirmações de Hillary Clinton, pois pelos jeitos não lhe cabe o exclusivo de considerar “deploráveis” aqueles que vêem uma séria ameaça na imigração massiva e falam abertamente do medo que os assalta ao terem consciência dos perigos que ressentem.
Termina o cronista afirmando que ‘pelos jeitos a elite alemã tem ideias bem diferentes das daqueles que considera serem medrosos e populistas da direita, e o seu desejo não é que a imigração diminua, mas aumente.’
Com que fim, e para defesa de que interesses, só o tempo o dirá, mas é pouco provável que então, como agora, os “deploráveis” tenham voz que se faça ouvir.
.....
Publicado na DOMINGO CM.