sexta-feira, abril 24

Os amanhãs não cantam

(Clique)

O estudo e a experiência demonstram que nunca as revoluções são o que parecem, nem acontecem como as contam. Mesmo depois de por elas terem passados séculos surgem novas versões dos motivos, apresentam os heróis outras faces, por vezes defendendo na realidade o contrário do que apregoam.
Recordo com ternura o meu entusiasmo infantil pela revolta do Primeiro de Dezembro e de como, adolescente, vivi as esperanças da Revolução Francesa, as vitórias de Bonaparte. Escondendo as lágrimas também algumas vezes cantei A Internacional, mas não tardou a que a curiosidade de saber, o estudo, e os olhos bem abertos, fossem gradualmente desgastando o meu entusiasmo e as minhas crenças.
A Segunda Guerra Mundial, que acabaria com todas as guerras, gerou uma atrás da outra; o paraíso soviético não era o que parecia, como os Estados Unidos também não correspondiam à história da carochinha do país grande defensor da liberdade; Cuba não se tornara num paraíso, o Chile de Allende resultou num Pinochet, os generais tomaram conta do Brasil e da Argentina.
Por essa altura tinha eu devotado cerca de dez anos ao estudo da história de Portugal, do Estado Novo, da sociedade portuguesa e, sobretudo, aos acontecimentos e aos personagens que compunham o que se chamava a Oposição.
Resultou daí que se o 25 de Abril me alegrou, em momento nenhum senti entusiasmo, tão-pouco me surpreendeu que a partir da mudança a sociedade e a política passassem a funcionar e a desenvolver-se de maneira para mim previsível. Como também não me surpreende que mesmo agora poucos partilhem o meu desencanto ou a pouca vontade de comemorar.
Reais ou imaginados, uma revolução tem necessidade de episódios dramáticos, heróis,  pais da pátria, e durante décadas, por vezes séculos, tudo isso se festeja com discursos, paradas, estátuas, sessões solenes. Até que a febre diminui e o tempo passa, a visão clareia, os historiadores mostram coragem de pesquisar e escrever como verdadeiramente foi, e por que razões aconteceu.
Mas creio bem que, acerca da Revolução dos Cravos, quando esse dia chegar já nenhum de nós cá estará, talvez até nem aqueles que acabam de nascer.  

quinta-feira, abril 23

Auto-ajuda

(Clique)

Ninguém precisa da minha compaixão, mas verdade é que me aflige o desespero dos que sem bússola que os oriente na vida, no trabalho ou nos sentimentos, procuram em manuais de auto-ajuda a fórmula milagrosa, o exercício ou a mantra que lhes mostre o caminho do sucesso material, da paz de espírito e da felicidade.
Zombam eles com arrogância dos que acreditam nos efeitos miraculosos da banha de cobra, desdenham dos que rasgam os joelhos em Fátima, chamam burro a quem se deixa guiar pelos símbolos do Tarot, mas de verdade nada os distingue nem torna superiores a esses, antes demonstram que em matéria de crendice não há classes nem escalões, esbracejam todos no vasto mar da ignorância e do medo sem boia de redenção.
Sei eu o remédio? Não sei. Tão-pouco o sabem os psicólogos, os psiquiatras, os padres confessores, os mestres das várias iogas. Porque de facto, quem não possuir a humildade, a imparcialidade e a compaixão de, como se examinasse um estranho, ir ao mais fundo de si próprio, perde tempo, escusa de procurar.

quarta-feira, abril 22

Uma fava!

(Clique)
Vivemos numa aflitiva, mas também contraditória, preocupação pela privacidade. Fala-se de perigos, ameaças, assaltos, avisam-nos de que constantemente nos escutam, espionam, misteriosas instâncias tudo conhecem do nosso comportamento, dos nossos desejos, das intenções que temos.
Provavelmente assim é, mas também nunca antes na história da humanidade fizemos tanto para que se saiba quem somos, o que queremos, que vícios nos assaltam, que hábitos seguimos, que ódios nos confundem. Exigimos que nos garantam o segredo, o privado, o íntimo, e ao mesmo tempo  tudo fazemos para que nos oiçam, levem em conta, saibam quem somos e onde estamos.
Se num passado recente se viu o Big Brother de Orwell como sinistra ameaça, é curioso notar que entrou pelo espectáculo e, como se nada fosse, a imensa maioria a aceitar e a aplaudir, passou para as redes sociais.
Desejo de privacidade? Uma fava!
 

terça-feira, abril 21

O guardião

(Clique)

Culpa tenho eu, bem sei, deste desalento que me empurra para a solidão e entristece, o desejo de evitar o semelhante, o repisar de momentos que afinal não foram como pareciam, de amabilidades e sorrisos que, ao recordá-los, surgem com expressão diferente, o afastamento revelando a máscara, pondo a descoberto a grima, o azedume, a falsidade, a cobardia.
No dia-a-dia correspondemos mal à imagem que mostramos ou à que do semelhante desejamos ver. Contudo, não haveria aí empeno, tanto nos habituamos ao teatro que a vida é, e em cujo palco somos razoavelmente capazes de representar o papel que ela exige, que de nós esperam, ou a que nos obrigam.
Do que não curamos, pelo menos eu não curo, é da incapacidade de nos protegermos de nós próprios, de escaparmos àquele que no íntimo, guardião permanente, nos impede de esquecer e de enfeitar.

segunda-feira, abril 20

A modo de alívio

(Clique)

Seria engano dizer que o assunto me tira o sono, e é fugidia a preocupação que me dá, mesmo assim ocupa-me mais do que desejaria, obrigando-me a balouçar entre extremos de piedade e raiva, de pasmo e aversão.
Por isso, porque não sei, porque o meu poder de cidadão é nulo e opiniões nada resolvem, é assim a modo de me dar alívio que alinho aqui uma amostra de factos. Absurdos ou contraditórios, impedem-me de pensar claro e nada contribuem para a minha paz de espírito como cidadão e ser humano.
- Afogaram-se setecentos, oitocentos, ou mais; ninguém sabe, de nada adianta a conta.
- Ao verem o porta-contentores que se aproximava, correram todos para o mesmo lado e o navio virou. Salvaram-se vinte e nove? Trinta e dois? Quarenta? Importa a notícia a alguém?
- Não há bilhete, mas a passagem está longe de ser grátis. Conforme o estado do barco e a possibilidade de chegar à Itália, o preço variava semanas atrás entre os sete mil e os doze mil euros. É improvável que esteja ao alcance dos pobres. As crianças pagam "bilhete" inteiro.
- Até chegarem à Líbia, os emigrantes que vêm dos países ao sul do Saará atravessam um sem-número de controles de polícia e pagam de cada vez seis euros por pessoa.
- Na televisão italiana vejo um deputado que, discursando no parlamento,  enfatiza a absoluta necessidade dos imigrantes ilegais para a prosperidade da agricultura.
- Vejo um político alemão dizer o mesmo acerca da indústria.
- Vejo na televisão holandesa um refugiado da Somália que trabalha clandestino numa plantação de tomates na Calábria, e se queixa de só receber vinte euros e viver num casebre que ele próprio construiu, enquanto o trabalhador italiano tem casa, privilégios sociais e ganha cinquenta euros limpos.
- Dos cerca de cento e cinquenta mil refugiados que chegaram à Itália desde o princípio do ano (passado ?), só de uns cinquenta mil há registo, e a ninguém interessa saber dos restantes.
- Na televisão holandesa uma jovem refugiada etíope, exprimindo-se num Inglês quase perfeito, mas raivosa no modo e nas palavras, grita: "Nós temos direitos, exigimos habitação, um modo de vida decente e possibilidade de estudar".
- Quando são legalizados, os imigrantes na Dinamarca recebem casa e mobília, passando de imediato a gozar todos os benefícios sociais, sem que para eles tenham contribuído.
- O mesmo sucede na Holanda, com a particularidade de que um holandês tem de aguardar em média dez anos antes que possa alugar casa num bairro social.

No meio disto tudo e tanta miséria mais, desses desesperados e de nós todos, os senhores ministros da UE reúnem-se pela enésima vez a discutir.


sexta-feira, abril 17

"O Rio Somos Nós"

(Clique)
Dois anos atrás escrevi este texto para a série "Os Maias" no Expresso. Houve quem não apreciasse, alguns acharam heresia.
Pessoalmente, não só fiz o melhor que pude, mas, caso raro, é um dos meus textos que releio com satisfação e alguma nostalgia, talvez porque acorda memórias do tempo em que eu, abismado, começava a descobrir o mundo.
De vez em quando perguntam-me onde podem encontrá-lo, boa razão para o tornar acessível aqui.

Pagar caro

(Clique)

"Paguei caro". Num desabafo ou resmungando, as mais das vezes em pensamento, quando se deitam contas às peripécias da vida  é frase que nos sai em forma de autocomiseração ou arrependimento da tolice feita, de estupidamente termos comido o queijo sem atentar na ratoeira.
Lá vem então o "paguei caro", prometemo-nos cautela, mas é quase infalível que na próxima voltaremos a cair no engodo.
Entre os meus vários maus hábitos destaca-se uma certa falta de cuidado para com as pessoas, impaciência nos subentendidos do trato social, uma incapacidade de usar os rodeios e fraseados que escondem quanto se tem o coração perto da boca.
Daí resulta sempre prejuízo ou paulada mais ou menos dolorosa, de que costumo fazer o balanço com o já citado "paguei caro".
Recentemente, estava a ponto de cair nessa choradeira, quando dei por mim a sorrir, ingénuo e feliz como o garoto que compreende o ovo de Colombo. Desculpe quem lê, mas não vou  adiantar.