quinta-feira, Junho 7

Mea Culpa

Posso ser um misantropo que se ignora, mas de verdade sou pouco dado à convivência social. Não que me escasseie o interesse pelo semelhante e o gosto da conversa, mas desespero quando, passado o intróito dos bons modos, em vez de uma troca de impressões, ideias ou experiências, me vejo a soprar vento e a receber baforadas de banalidade.
Daí que pronto me fatiga o trato e acho conforto na solidão. Perco assim o ensejo de encontrar mais gente interessante, e aprender o que não sei, mas feito o balanço tenho de concluir que, na vida que levo, a probabilidade de conversas excitantes iguala a sorte de encontrar no clássico palheiro a perdida agulha.
Há ainda o cansaço. Bom número de almas parece insensível ao facto de usar os argumentos com impacto igual ao do aríete nas guerras antigas, mais a agravante de que dominam a arte da fala sem pontos nem vírgulas.
Contudo, e isto dito, não são elas e eles que têm de mudar. Eu é que, mea culpa, devia aprender melhor  as andanças do mundo.