quinta-feira, Maio 24

Hora esquerda


Ontem à noite, curiosidade, dever de ofício, desejo de estar ao corrente do que vai no mundo, folheei e, um após o outro, li umas quantas páginas do começo dos romances de três jovens colegas há pouco no mercado.
Passaram o exame, mas de nenhum saltou aquela fagulha que provoca a curiosidade e leva – Não! Obriga! – a continuar a leitura. Aqui e ali veem-se os andaimes, adivinham-se as pressas, descobrem-se os jeitos. Tudo isso, porém, é de remediar. Mas coisa essencial em todos faltava: uma primeira página retumbante. E a primeira página é essencial, tem de ser como música de órgão, tiro de dinamite ou semelhante.
Pensando nisso fui-me a buscar O Demonio do Ouro – a edição (1927) é a que li em rapaz e tem a, para mim saudosa, ortografia do tempo – recordado que estava de como Camillo Castello Branco também é  mestre nas primeiras páginas.
(Clique para aumentar)