sexta-feira, Junho 29

Aconteceu

Aconteceu, contei-o já em Ernestina, o caso do homem que por aposta, nos anos quarenta na taberna da nossa aldeia, espremia os seios que tinha cheios, quase como de mulher, até que deles corria leite.
Aquilo gravou-se-me na memória, talvez porque além de ser abjecto causava o horror dos fenómenos contra natura. E ao longo destes anos todos sempre julguei que se tratasse apenas da maluquice de um simples. Mas leio em Palimpsest, as memórias de Gore Vidal, que durante uma visita à Sicília presenciou ele um outro simples a fazer o mesmo e, de nojo, teve que vomitar.
Mais tarde, informando-se - para mim, a repulsa junta-se agora ao medo - veio a saber que a produção daquela matéria leitosa é, no homem, um dos sintomas do cancro no seio.